sal marinho
sal marinho

Entenda a diferença entre sal refinado e sal marinho

por Redação
em 22 de maio de 2014

Já faz algum tempo que o sal passou a ser visto como o grande vilão da alimentação. Afinal, quando consumido em excesso, pode causar doenças cardiovasculares, hipertensão, cálculo renal, entre outros sérios problemas de saúde. Porém, quando consumido na medida certa, ele também pode deixar de ser vilão para virar um parceiro e, assim, trazer benefícios para o nosso organismo. Essa mudança começa na substituição do sal refinado pelo sal marinho.

Entre os benefícios do sal, destaca-se a sua fundamental participação na função biológica das células e no equilíbrio de fluídos, além de fornecer minerais importantes para o nosso organismo. Mas para que o sal realmente seja realmente benéfico, é necessário controlar a quantidade do seu consumo no dia a dia, a qual não deve exceder o limite de 5 gramas (aproximadamente uma colher de chá) diárias, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A diferença entre sal marinho e sal refinado

O sal refinado, assim como o sal marinho, é obtido através da evaporação da água do mar. Porém, o sal refinado passa por um processo térmico para que a sua umidade final fique em 0,05% e, também, pelos processos de refinamento e branqueamento. Em ambos, o sal perde quase todos os traços de microelementos ou oligoelementos (que inclui o iodo) e só permanece com uma alta taxa de sódio. E tanta mudança que, após o refinamento, o sal precisa passar por um processo de iodação, já que a deficiência dessa substância no organismo pode desencadear o desenvolvimento de doenças como bócio e outras anomalias.

Já o sal marinho não passa por nenhum desses processos, seja ele térmico, de refinamento e ou branqueamento e, portanto, mantém todos os microminerais e nutrientes que o sal refinado acaba perdendo, inclusive o iodo. Além disso, o sal marinho também possui um sabor menos salgado do que o sal refinado e não sofre adição de nenhuma substância química. Assim, o sal marinho permanece com cor e tamanho diferentes do refinado. No máximo, ele é moído para que o seu uso possa ser feito no preparo de alimentos. O sal grosso, comum em churrascos, é um tipo de sal marinho que passou por processo de moagem para reduzir o tamanho dos cristais de sal, mas não por tratamento químico.

Além disso, o sal marinho é composto de:

  • 55,5% de cloreto
  • 30,8 % de sódio
  • 7,7% de sulfato
  • 3,7% de magnésio
  • 1,2% de cálcio
  • 1,1% de potássio

Sal rosa do Himalaia também é sal marinho

É importante ressaltar que nem todo sal marinho é extraído a partir da água do mar. O sal rosa do Himalaia é um exemplo de produto que, embora não seja retirado diretamente do mar, uma vez que é extraído de depósitos milenares nas cadeias de montanhas do Himalaia, é considerado um sal marinho. A definição de sal marinho é de um sal que não passou por processamento e por isso mantém seu valor nutritivo e as características originais de sabor, textura e coloração, não sua origem marítma.

LEIA MAIS
O que é sal marinho e quais são as suas vantagens
LEIA MAIS
Receita de Gersal: Aprenda a fazer essa mistura nutritiva

Sugestão Jasmine

A Jasmine Alimentos possui em sua linha de produtos a opção de sal marinho natural.


Compartilhe
Assine nossa newsletter para receber artigos exclusivos como esse
Newsletter

Faça parte desse movimento pela alimentação consciente!