Adoçantes naturais: açúcar de coco
Adoçantes naturais: açúcar de coco

Adoçantes naturais: confira as opções mais saudáveis

por Redação
em 21 de março de 2017

Logo que surgiram no mercado, os adoçantes eram restritos a pessoas com distúrbios orgânicos como o diabetes. Mas, com o passar do tempo, eles ganharam as prateleiras dos mercados e as mesas de uma grande parcela da população. Acontece que a maioria dos adoçantes é artificial (produzido em laboratório) e traz consigo uma lista bem grandinha de malefícios à saúde. Além de esses edulcorantes artificiais terem substâncias sintéticas ainda não estudadas, as que já foram estudadas estão relacionadas problemas que vão do aumento de peso até o surgimento de câncer.

A opção a esses produtos são os adoçantes naturais, obtidos a partir de plantas ou alimentos de origem animal e que não passam por nenhum tipo de reação química. Veja abaixo boas opções:

Adoçantes naturais

Stevia é 300 vezes mais doce que o açúcar refinado (foto: istock)

Stevia é 300 vezes mais doce que o açúcar refinado (foto: istock)

Estevisídeo (Stévia)

O Estevisídeo é extraído de uma planta chamada Stévia Rebaudiana e é cerca de 300 vezes mais doce que a açúcar. consumo desse adoçante natural não gera nenhum efeito colateral.  Como é resistente a altas temperaturas, pode ser usado em alimentos que vão ao fogo. O único fator contra é o gosto residual amargo. Além do pó, do extrato ou da folha, o stevia também é comercializado como extrato purificado e vendido em embalagens similares às dos adoçantes artificiais. Só  é preciso cuidado para não comprar a stévia associada a outro adoçante artifical, como, por exemplo, o ciclamato de sódio.

LEIA MAIS
Stevia: Conheça este adoçante natural
LEIA MAIS
Mel ou calda de agave: qual é a melhor opção?

Mel

O mel de abelha, além de adoçar 25 vezes mais que o açúcar, é um alimento muito nutritivo e com características terapêuticas, dentre as quais podemos citar: antissépticas, fortificantes, calmantes, laxantes, diuréticas e antibacterianas. É recomendável tomar uma colher de chá por dia, sozinha ou misturada com suco, iogurte e infusões. É importante consumir um mel ecológico e cru, para que realmente seja possível aproveitar todas as suas propriedades.

Agave Azul

A agave não é indicada para diabéticos devido à alta concentração de frutose (foto: istock)

A agave não é indicada para diabéticos devido à alta concentração de frutose (foto: istock)

Planta suculenta de origem mexicana, o agave azul fornece um adoçante natural e orgânico que apresenta maior poder de adoçar do que o açúcar comum. Rico em açúcares mais nobres, como frutose e dextrose, o agave possui baixo índice glicêmico. A calda de agave pode ser utilizada em qualquer receita de forma natural e saudável, mas não é indicada para diabéticos devido à alta concentração de frutose.

Açúcar de coco

É extraído da seiva das flores do coco por meio da evaporação.  É rico em polifenóis, ferro, zinco, cálcio, potássio, antioxidantes, fósforo e outros fitonutrientes. O bom é que esse produto possui metade do índice glicêmico do açúcar branco, o que significa que é absorvido mais lentamente pelo organismo, alterando gradativamente os níveis de glicose no sangue e, consequentemente, a produção de insulina. Portanto, para os diabéticos, é uma boa opção para ajudar a controlar os níveis de glicose no sangue.

Adoçantes Jasmine

Na linha de adoçantes Jasmine você encontra somente adoçantes naturais, como o Stevine, feito a base da folha da Stévia, e a Calda de Agave Azul, que é obtida a partir da própria Agave Azul. Além disso, todos os nossos produtos Diet são adoçados com edulcorantes naturais.

Veja receitas Jasmine com adoçantes naturais:

Receita de Panqueca de Banana 100% Integral
Receita de bolo de chia, aveia e castanha: sem glúten e com muito sabor
Receita de Suco Refrescante de Chia

 

 


Compartilhe
Assine nossa newsletter para receber artigos exclusivos como esse
Newsletter

Faça parte desse movimento pela alimentação consciente!