Yoga e alimentação
Yoga e alimentação

Os benefícios da yoga para uma vida integral

por Redação
em 5 de setembro de 2014

Uma vida mais saudável e equilibrada requer mudanças de hábito, assim como praticar atividades físicas regularmente e se alimentar de forma saudável. Mas, quando a busca pela harmonia em todos os aspectos da vida torna-se uma prática e filosofia, é possível ir além de simples mudanças e viver em sintonia com propósitos baseados em cuidados com a saúde e o bem-estar. Entre essas filosofias e práticas, destaca-se o yoga: um estado de consciência mais leve, pleno e atento, que engloba todos os aspectos da vida – o corpo, a mente e as emoções.

LEIA MAIS
Conheça os principais tipos de Yoga e suas diferenças
LEIA MAIS
Pilates: equilíbrio e consciência corporal

Segundo a yogaterapeuta Tuane Abreu, na filosofia do yoga existem práticas que trabalham as posturas corporais, o direcionamento da atenção e da concentração, além de músicas que ajudam a focar e acalmar. Mas não é só isso. “A verdade é que você realiza yoga na convivência com as pessoas, na maneira que você conduz os seus relacionamentos afetivos, no trabalho, com os amigos, na forma como você se alimenta. É tudo relacionado à maneira como você encara a vida. Essa é a filosofia,” explica.

Ao contrário do que muitos pensam o yoga não é considerado uma atividade física, mas uma prática mental, realizada a partir do corpo físico. “Qualquer prática do yoga vai estimular e mudar o corpo, mas não como uma atividade física. O trabalho corporal existe porque é um corpo firme que sustenta uma mente firme, uma vez que o objetivo do yoga é a mente,” complementa Tuane.

Yoga + Alimentação

Quando o assunto é yoga e alimentação, também vale à máxima “você é o que você come”. Afinal, a filosofia do yoga é baseada na busca pela leveza e harmonia do corpo, das emoções e da mente e, por isso, a alimentação é peça-chave. Alimentos gordurosos e pesados inevitavelmente nos deixam física e mentalmente mais lentos e carregados. Por isso, é importante manter uma alimentação saudável. “Uma alimentação saudável sempre é favorável e, quando aliada à prática do yoga, ela potencializa os benefícios, porque alimentos mais leves e naturais trazem mais vida. Por isso, é importante ingerir alimentos saudáveis e que tenham uma energia boa, como frutas, sementes, saladas e alimentos integrais,” acrescenta.

Ainda de acordo com Tuane, a função dos alimentos vai muito além da nutrição física, porque se entende que tudo tem uma energia, inclusive, os alimentos. Como a filosofia do yoga é a busca pelo equilíbrio e a leveza, consumir alimentos mais leves e saudáveis sem dúvida pode ajudar a alcançar o objetivo. “A alimentação interfere na mente, por isso, o ideal é dar preferência a alimentos mais leves que, inevitavelmente, serão energeticamente mais saudáveis para a mente e o corpo”, explica a yogaterapeuta.

Sobre o Yoga
A prática do yoga é milenar e teve origem na Índia, dentro da religião que conhecemos como Hinduísmo, apesar disso o yoga não é considerado uma religião. O objetivo é a busca pelo equilíbrio em todas as áreas da vida através de práticas como as asanas, que são as posturas corporais, os pranayamas, que são as técnicas de respiração que ajudam a direcionar a atenção e a concentração, os mantras, que são as canções que ajudam a manter o foco e a acalmar a mente, entre outras práticas que também ajudam a disciplinar a mente e os sentidos.

No ocidente, o estilo mais popular é o Hatha Yoga, que trabalha mais as posturas corporais. Existem várias linhas e algumas são ramificações do Hatha. “A base filosófica é a mesma, o direcionamento também, o que diferencia uma da outra é a forma como são executadas. Existem práticas de yoga, por exemplo, que não trabalham com as asanas”, explica a yogaterapeuta. “Por isso, pra quem quer iniciar, é recomendável fazer aulas experimentais e ver qual estilo combina melhor com o seu ritmo e com aquilo que se procura no momento”.

Quem pode praticar yoga

De acordo com Tuane, o yoga é uma prática para qualquer pessoa, em qualquer idade, pois existem adaptações para cada faixa etária. “Para crianças, por exemplo, a prática tem que ser mais lúdica e para os adultos, mais vigorosa. Já para gestantes e pessoas com idade mais avançada é preciso ser mais leve, assim como para quem possui alguma deficiência e precisa de uma adaptação”, finaliza a yogaterapeuta.

Fonte: Tuane Abreu – Yogaterapeuta
tuane_abreu@msn.comsemeie_vida@hotmail.com

 


Compartilhe
Assine nossa newsletter para receber artigos exclusivos como esse
Newsletter

Faça parte desse movimento pela alimentação consciente!