Fale Conosco

Saiba tudo sobre imunidade e quais alimentos consumir para manter a saúde em dia

por Jasmine
em 15 de fevereiro de 2021

O corpo humano é frequentemente exposto a bactérias, vírus, diversos tipos de inflamações, infecções e, ainda que inevitavelmente fiquemos doentes uma vez ou outra, a verdade é que, sem nosso poderoso processo de defesa, estaríamos com sérios problemas. Essa defesa existe graças ao sistema imunológico, que nada mais é do que uma espécie de exército de componentes que atuam nos protegendo dos diversos tipos de ataques.

Para que o sistema imunológico mantenha seu funcionamento com boa qualidade, precisamos de alguns cuidados, especialmente com a alimentação. Um artigo publicado pelo setor de saúde pública da universidade de Harvard abordou justamente essa relação entre o padrão alimentar e o desempenho da resposta imune.

De acordo com a publicação, dietas baseadas em alimentos ultraprocessados (ricos em gorduras trans, conservantes e açúcares, mas pobres em nutrientes), açúcar e carne vermelha em excesso são “inimigas” do sistema imunológico, pois debilitam o funcionamento da flora intestinal, o que é fundamental para a produção das nossas células de defesa.

homem chutando vírus

É no intestino que a maior parte da atividade imunológica acontece, assim como a maior produção de proteínas antimicrobianas, por isso cuidar da dieta é fundamental, uma vez que os alimentos que consumimos desempenham um papel importante na determinação de quais microrganismos vivem em nosso intestino e mantêm o corpo saudável. Em termos de saúde, tudo está interligado: alimentação, sono, hábitos de vida, ingestão de água etc.

Imunidade inata e imunidade adquirida

Quando nosso corpo nos defende de alguma ameaça, o processo pelo qual essa defesa acontece é chamado de resposta imune, que é dividida em duas categorias: a inata, natural ou não específica e a adquirida, adaptativa ou específica.

A primeira categoria de imunidade, que é chamada de inata, é aquela que já nasce com a pessoa e a defende através de barreiras bem conhecidas: lágrimas, suor, cílios, saliva, pele, suco gástrico. Talvez você nunca tenha pensado nisso, mas esses elementos que estão agora no seu corpo têm também a função de proteger seu organismo dos “intrusos” que fazem mal à saúde e de evitar que ele passe por processos inflamatórios agudos. Interessante, não é mesmo? As lágrimas, por exemplo, não servem apenas para demonstrar emoções, mas também para hidratar os olhos e os proteger de infecções.

imunidade

Já a segunda categoria, que é chamada de imunidade adquirida, corresponde aos mecanismos de defesa que adquirimos ao longo da vida por meio de anticorpos e vacinas. Para o funcionamento desse segundo tipo de imunidade, nosso corpo precisa ativar células especiais que são chamadas de linfócitos ou glóbulos brancos – você já deve ter visto esses nomes em algum exame de sangue, não é mesmo?

É por isso que a produção de linfócitos e a contagem de glóbulos brancos é tão importante quando o assunto é sistema imunológico. Baixos índices desses elementos indicam que, possivelmente, nosso exército de defesa não está devidamente preparado para enfrentar uma batalha.

O que significa ter baixa imunidade?

Você possivelmente já ouviu por aí alguém dizendo que está com a imunidade baixa, não é mesmo? A baixa da imunidade acontece quando o sistema imunológico enfrenta problemas para funcionar da maneira correta e, por consequência disso, o corpo acaba tendo menos chances de se defender de doenças como gripes, resfriados, estomatites, irritações intestinais e infecções de pele.

Felizmente, o número de pessoas preocupadas em manter uma boa imunidade só tem aumentado e a boa notícia é que, na maioria dos casos, isso pode ser feito por meio de pequenas mudanças de estilo de vida.

Consumir alimentos integrais, naturais e ricos em substâncias antioxidantes é uma excelente estratégia alimentar e que deve ser mantida ao longo de toda a vida, não apenas quando o objetivo é ter um sistema imunológico mais forte. 

Além disso, outros fatores relacionados ao seu estilo de vida também podem melhorar os mecanismos de defesa do seu organismo, então não se esqueça também de dormir bem, praticar algum tipo de atividade física, tomar água ao longo do dia e moderar o consumo de bebidas alcoólicas e de alimentos ultraprocessados.

Como saber se a imunidade está baixa?

Quando existe alguma coisa errada com o sistema imunológico, o corpo se expressa por meio de, principalmente, algumas doenças que se tornam recorrentes, por isso é fundamental prestar muita atenção a sintomas que você possa ter e que aparecem de novo pouco tempo depois.

Além de sinais simples como queda de cabelo, unhas quebradiças, palidez e sensação de falta de energia, a imunidade baixa pode se manifestar de outras formas e pelos mais diversos motivos, que incluem predisposição genética, deficiências vitamínicas, uso de medicamentos que provocam imunodeficiência, radioterapia, quimioterapia, TPM e até mesmo o estresse por tempo prolongado.

Não existe um exame específico para determinar se a imunidade está baixa, mas uma avaliação médica pode verificar como está o funcionamento do corpo como um todo e sugerir exames de sangue com possíveis tratamentos.

De qualquer forma, é importante ter atenção a doenças que geralmente estão ligadas a uma queda na resposta imune:

  • Na região da boca: herpes, amigdalite e estomatite;
  • Na pele: infecções recorrentes, abscessos (furúnculos), doenças causadas por fungos, vírus e bactérias;
  • No ouvido: otites;
  • Na região genital: herpes;
  • No sistema respiratório: gripes, resfriados, asma, pneumonia.
Como saber se a imunidade está baixa

Quando esses sinais aparecem diversas vezes, ou quando uma doença leva muito tempo para sarar, é importante buscar meios de melhorar a imunidade, o que inclui não apenas ir ao médico, mas também fazer mudanças de estilo de vida (alimentação, sono, consumo de água, prática de atividades físicas), que é algo que você pode começar imediatamente.

A Fundação Jeffery Modell e a Cruz Vermelha estadunidense elaboraram um guia médico com a relação entre doenças que indicam baixa imunidade e a frequência de recorrência. São elas:

  • A ocorrência de pneumonia duas vezes ou mais ao longo de um ano;
  • Oito episódios de otite ou mais em um ano;
  • Estomatites frequentes (feridas na boca e nas gengivas);
  • Monilíase frequente (pontos brancos na língua, nas bochechas, na gengiva ou nos lábios);
  • Abscessos de repetição (furúnculos);
  • Um episódio grave de infecção (meningite, artrose ou septicemia);
  • Diarreia crônica ou infecções intestinais;
  • Asma grave, doença do colágeno ou doença autoimune;
  • Efeitos adversos da vacina BCG em crianças;
  • Quadro clínico associado à imunodeficiência;
  • Histórico de imunodeficiência em outras pessoas da mesma família.

Como aumentar a imunidade dos idosos?

Em pessoas idosas, a resposta do sistema imunológico é naturalmente mais lenta na maioria dos casos. Além disso, idosos têm menos reservas orgânicas devido ao desgaste do passar dos anos. Ou seja, são pessoas mais suscetíveis a contaminações por vírus e bactérias. Informação importante: pessoas com Doença de Alzheimer ou outros tipos de demência tendem a ser ainda mais vulneráveis a diversos tipos de contaminações.

É fundamental que pessoas nessa faixa etária tenham uma boa alimentação e consumam cereais (arroz, milho e trigo, por exemplo), grãos (feijão, grão-de-bico, soja e ervilha) e legumes, hortaliças, frutas e castanhas. Além disso, o consumo frequente de água é fundamental para manter o corpo bem hidratado e saudável.

Como aumentar a imunidade dos idosos

Os sinais de imunidade baixa em idosos geralmente incluem casos de infecções recorrentes, doenças simples que demoram a sarar (como feridas que não cicatrizam mesmo depois de semanas ou meses), febre frequente e calafrios, olhos ressecados, fadiga em excesso, náuseas e vômitos frequentes, manchas vermelhas e brancas na pele e queda acentuada de cabelo.

Em alguns casos, é preciso ir a um médico geriatra para fazer uma avaliação e seguir as recomendações desse profissional, que pode solicitar exames e recomendar o uso de suplementos vitamínicos e/ou alimentares, com base em cada caso.

Como aumentar a imunidade infantil?

É muito comum famílias que relatam casos de crianças que estão sempre doentinhas ou que são frequentadoras assíduas de consultórios pediátricos. É claro que existem muitas doenças que podem provocar esses episódios frequentes que exigem atenção médica, e é sempre bom consultar o pediatra quando seu filho não estiver bem, mas em muitos casos algumas mudanças na alimentação dos pequenos podem ajudar a fortalecer o sistema imunológico e diminuir as queixas.

Como aumentar a imunidade infantil

Crianças que são afetadas pela presença de vírus ou bactérias tendem a demonstrar sintomas que incluem diarreia, febre, apatia, fraqueza, calafrios, choro. É sempre importante aferir a temperatura corporal da criança de hora em hora nesses casos, medicar (de acordo com o médico) caso haja febre e aguardar a resposta, oferecendo sempre água e chás, além de dar banho.

Para aumentar a imunidade infantil, é preciso que a criança tenha uma dieta bem equilibrada, rica em alimentos naturais, proteínas, vitaminas, minerais, aminoácidos, carboidratos e gorduras saudáveis. O ideal é evitar ao máximo o consumo de alimentos ultraprocessados, artificiais, cheios de açúcar e gorduras.

Além de cuidar de perto da boa alimentação do pequeno, incentivar o consumo de água é fundamental, assim como promover meios da prática de atividades físicas e garantir que a criança tenha boas condições de sono e durma pelo tempo suficiente conforme a idade.

É imprescindível se ater ao calendário de vacinação, desde o nascimento, e não deixar que a criança fique sem essas importantes formas de imunidade adquirida. Se atrasou alguma vacina, você deve ir a um posto de saúde e pedir para que os profissionais apliquem essa dose em seu filho mesmo assim. O que não pode nunca é deixar de tomar as vacinas que são obrigatórias. 

Outro fator que contribui com a boa saúde infantil, apesar de talvez não ser tão óbvio assim, é a boa relação afetiva com pais, cuidadores e familiares de uma maneira geral. Uma criança que recebe carinho, atenção, cuidados básicos e afeto é, sem dúvidas, uma criança feliz e, consequentemente, com muito mais saúde.

Como aumentar a imunidade do bebê

Os cuidados com a saúde do bebê começam desde o momento da gestação, com um acompanhamento de pré-natal adequado, a realização de exames e boa alimentação materna, e também com suplementação vitamínica quando for necessário, sempre com recomendação do pediatra.

Até mesmo o momento do parto pode afetar o sistema imunológico do bebê, por isso é sempre indicado que o nascimento de cada criança seja um processo humanizado e respeitoso e que, assim que for possível, ela entre em contato com a mãe e receba leite materno, se a mulher puder amamentar.

Como aumentar a imunidade do bebê

A amamentação deve ser mantida em livre demanda desde o nascimento e ser oferecida de forma exclusiva até o sexto mês de idade. Uma pesquisa publicada em 2017 a respeito dos benefícios do leite materno concluiu que os bebês que recebem esse alimento têm uma melhora significativa e de longo prazo quando o assunto é imunidade, principalmente no que diz respeito à saúde gastrointestinal dessas crianças.

É claro que nem toda mãe amamenta no peito, pelos mais diversos motivos, e, nesses casos, o pediatra deve recomendar o tipo de fórmula ideal para o recém-nascido. A fórmula é o melhor alimento, depois do leite materno, para os bebês recém-nascidos.

A introdução alimentar, que deve começar depois dos seis meses precisa ser simples e prática, sem alimentos industrializados, sem sal e sem açúcar ou mel. Ou seja: investir em alimentos que sejam naturais e manter o aleitamento materno ou a fórmula é uma forma simples de aumentar a imunidade do bebê.

Em alguns casos, no entanto, o pequeno pode acabar sendo infectado e apresentar sinais de baixa imunidade, como febre, choro, apatia, recusa alimentar e diarreia, principalmente nos primeiros meses de vida, quando ainda é bastante frágil. Nessas situações, é fundamental oferecer o leite materno ou a fórmula frequentemente para que o bebê não fique desidratado e também monitorar a temperatura. Se os sintomas não desaparecerem, o ideal é marcar uma consulta com o pediatra ou buscar atendimento de emergência.

Manter o bebê bem alimentado, bem hidratado e respeitar suas necessidades de sono e de aconchego (bebês muito novinhos precisam de muito tempo de colo e não há nada errado nisso) é fundamental para que a imunidade do pequeno fique em ordem.

O que comer para aumentar a imunidade?

Consumir alimentos saudáveis é muito mais fácil do que parece, e uma das melhores vantagens para quem decide cuidar melhor da alimentação é que estamos falando de uma mudança que cabe no bolso e não requer medidas radicais.

O que comer para aumentar a imunidade

Quando você passa a consumir alimentos ricos em vitaminas, fibras, minerais, proteínas e antioxidantes, a alimentação altera o equilíbrio das bactérias naturalmente presentes em nosso intestino e, adivinha só: essas bactérias são aquelas essenciais para o bom funcionamento da resposta imune.

Entre esses alimentos, destacam-se os seguintes:

Pensando em produtos saudáveis feitos com alguns desses alimentos, para que você consiga incluí-los em sua dieta sem dificuldade, separamos alguns itens da Jasmine Alimentos, que está no mercado há anos e se preocupa em oferecer produtos naturais, ricos em nutrientes e divididos em integrais, orgânicos, sem glúten e zero açúcar. Todos os itens citados abaixo contribuem com o fortalecimento do seu sistema imunológico e melhoram a qualidade da sua dieta.

Cookies

Feitos com ingredientes naturais selecionados com rigor, os cookies Jasmine são uma forma saborosa de manter uma boa saúde e, assim, colaborar para que o sistema imunológico siga cumprindo seu papel de defesa.

Um dos pontos fortes dos cookies da marca é ser integral e rico em fibras, assim, favorecem o funcionamento intestinal e contribuem com a sensação de saciedade, 

O sabor mais conhecido é o Cookie Integral de Castanha-do-Pará, que é fortificado com selênio e vitamina E, magnésio (essencial para o bom funcionamento das células do seu corpo e também do metabolismo); e zinco (conhecido por aumentar a capacidade protetora do sistema imunológico). 

Berries

Outra forma apetitosa de reforçar seu sistema imunológico é consumir a seleção de berries Jasmine (cranberries, red berries e goji berries). Conhecidas como superfrutas, as berries são famosas por seu altíssimo valor nutricional.

A Jasmine não adiciona açúcares e conservantes no preparo das berries, que são totalmente naturais e, como desempenham ação antioxidante e abastecem o corpo com vitaminas, também são aliadas na missão de compor uma alimentação saudável, aumentando a imunidade.

Só para você ter ideia, as vitaminas C e E, assim como o selênio, que fazem parte da composição das berries, fortalecem os anticorpos, neutralizam os radicais livres e, inclusive, melhoram o processo de cicatrização do corpo. 

As goji berries, por exemplo, têm 50 vezes mais vitamina C do que a laranja; os cranberries têm seis vezes mais vitamina E do que a acerola e quatro vezes mais poder antioxidante do que o morango; e as red berries têm 130 vezes mais selênio do que a framboesa e oito vezes mais vitamina C do que o morango.

Ou seja, um lanchinho saudável e prático. Você pode levar sua embalagem de berries na bolsa para quando der fome ou aquela vontade de alguma coisinha doce depois do almoço. Sua imunidade agradece.

Chia e linhaça

São dois ingredientes cujo consumo regular melhora sua saúde de um modo geral e, claro, também a sua imunidade. A chia, por exemplo, é usada há séculos como elemento capaz de recarregar as energias e de contribuir com a sensação de saciedade (excelente também para quem busca perder peso).

Chia

Já a linhaça é a queridinha de quem se preocupa com uma alimentação saudável por revitalizar a saúde cardiovascular, contribuir com a regulação dos níveis de colesterol, ajudar no controle da pressão arterial e, além de tudo isso, atuar como antioxidante. 

linhaça

Se os dois ingredientes são bons separados, imagina juntos? Pois a Jasmine imaginou e criou a Linchia, uma farinha já pronta para o consumo e que reúne os dois supergrãos. Vai dizer que não é uma ótima ideia?

A Linchia é feita com farinha de linhaça dourada integral estabilizada e farinha de Salvia hispanica (Chia) estabilizada. Além de ser uma farinha riquíssima em fibras e antioxidantes, a Linchia também tem ômega 3, que atua na regulação das células do sistema imunológico. 

E não tem segredo na hora de incluir a Linchia em seu plano alimentar: você pode colocá-la sobre uma boa salada ou, ainda, em vitaminas, frutas, iogurte, em qualquer refeição. 

Supergrãos orgânicos

Os supergrãos orgânicos Jasmine colaboram com o bom funcionamento de todo o corpo e, de quebra, aumentam a imunidade. A quinoa, por exemplo, é o supergrão mais popular e com valor nutricional extremamente rico, o que a classificou como o melhor alimento de origem vegetal. Isso tudo porque tem fibras, proteínas, minerais e ômegas 3 e 6, que ajudam a prevenir doenças cardiovasculares e a fortalecer o sistema imunológico. 

Você pode cozinhá-la igual ao arroz e usar esse ingrediente em diversos pratos: risotos, saladas, recheios ou acompanhamento das refeições de todo dia. Ponto para a quinoa!

Já o amaranto, uma semente de origem andina, é tão nutritivo que foi um dos alimentos que a NASA utilizou para enviar a tripulação em missões espaciais. Rico em aminoácidos essenciais, o amaranto se torna um alimento ideal para os cuidados com a memória, a concentração e a aprendizagem. Na versão do amaranto em flocos Jasmine, o produto já vem pronto para o consumo, e você pode usá-lo para acompanhar frutas, cereais e iogurtes, bem como batido em shakes e sucos. Pode tudo o que a sua criatividade culinária pensar!

Família aveia

Quem é que não se lembra de comer mingau de aveia nos tempos da infância? As aveias Jasmine são fortes aliadas na hora dos cuidados com a saúde do coração e do intestino.

aveia

Além de colaborar com a manutenção dos níveis de colesterol na corrente sanguínea, a aveia tem magnésio e zinco, que ajudam a aumentar os mecanismos de defesa do corpo. 

Existem diversas receitas que levam a aveia entre seus ingredientes, e a Jasmine produz três variantes desse produto: Aveia em flocos finos, aveia em flocos grossos e farelo de aveia

Além de ter a opção de aveia em flocos grossos sem glúten e aveia em flocos finos sem glúten.

Granolas

A Jasmine possui vários sabores de granola para unir o sabor e a funcionalidade de todos esses ingredientes em um só produto. Você pode adicionando uma porção em frutas, iogurte, vitamina ou onde desejar. 

granola

Receitas para aumentar a imunidade

Já que nosso sistema imunológico está diretamente ligado à qualidade dos alimentos que consumimos, nada mais justo do que aprender algumas receitas saudáveis, saborosas e que melhoram a sua imunidade. Selecionamos algumas receitinhas práticas e deliciosas que são de dar água na boca. Confira:

  • Falafel de grão-de-bico sem glúten: aqui, este clássico tem sua versão assada e com ingredientes amigos da imunidade, como grão-de-bico, azeite, farinha de linhaça, alho, cebola e o saboroso tahine.
  • Pudim de chia com granola: além de ter esses dois ingredientes que fazem tão bem à saúde e à imunidade, este pudim fica lindo e é uma ótima forma de ter uma sobremesa tão nutritiva quanto o almoço.
  • Mingau de aveia terapêutico e vegano: mingau de aveia vai ser sempre um excelente coringa para momentos como o café da manhã ou um lanchinho da tarde. Esta receita é especial e conta com ingredientes como as red berries e banana, o que só aumenta o valor nutritivo deste clássico.
  • Sopa de PTS com legumes: sopas sempre são vistas como refeições saudáveis, e não é para menos: na sopa geralmente temos legumes, verduras e grãos que fazem bem ao corpo. Nesta receita, a proteína utilizada é o PTS, o que torna a sopa ideal para quem não come carne.
  • Tomates recheados com quinoa: viu só como a quinoa realmente é um ingrediente versátil e gostoso? Aqui você vai aprender a fazer um prato nutritivo, saboroso e de rápido preparo.
  • Torta de aveia e legumes: mais uma vez a aveia aparece nesta lista, agora em uma receita salgada e cheia de nutrientes. Uma ótima pedida para acompanhar aquele cafézinho da tarde.
  • Barrinha de granola zero açúcar: uma das dicas para não sair do seu plano alimentar saudável é levar seus lanchinhos nutritivos para o trabalho, a escola, a academia. Esta barrinha de granola é ideal para quem busca ter opções saudáveis e portáteis de lanchinhos.
  • Torta de maçã: viu só como não é difícil comer bem? Esta torta de maçã é um sucesso para quando quiser caprichar em alguma refeição especial no fim de semana, ou, claro, para quando você estiver com vontade de comer algo extremamente gostoso sem qualquer tipo de culpa.
  • Tartar de legumes com quinoa: com esta simples receita você pode ter uma refeição leve, saudável, bonita e que tem a quinoa entre seus componentes, o ingrediente mais do que recomendado para manter uma alimentação equilibrada.
  • Fudge de chocolate com berries: se estiver sem ideias sobre o que preparar de sobremesa naquele almoço legal que você está planejando, esta receita pode resolver o problema e, de quebra, trazer uma mistura incrível de sabores à mesa. Tudo isso sem perder nada no quesito comida saudável. É para aplaudir em pé!
mulher comendo salada de frutas

Falar sobre imunidade é coisa séria, por isso informar-se é fundamental para que você saiba reconhecer alguns sinais de imunidade baixa e, claro, para que faça algumas mudanças em seu estilo de vida e na sua alimentação.

Comer bem vai muito além de manter o corpo em forma, afinal o que comemos se torna combustível para o funcionamento de simplesmente todas as células do corpo, por isso é muito importante se preocupar com a qualidade do combustível que está mantendo seu organismo em funcionamento agora, não acha?

Não negligencie sua saúde, cuide sempre do seu corpo e preste atenção aos sinais que ele dá e que podem indicar que algo não vai bem. A manutenção da boa saúde por meio de bons hábitos alimentares e de um estilo de vida benéfico, além de idas ao médico, pode ser mais simples do que você imagina. 

Todo dia é dia de se cuidar e de contribuir com o bom funcionamento do seu sistema imunológico. Comece a fazer isso agora mesmo, você só tem a ganhar.


Compartilhe
Assine nossa newsletter para receber artigos exclusivos como esse
Newsletter

Faça parte desse movimento pela alimentação consciente!