chás
chás

Tipos de chá: verde, branco, preto e vermelho

por aretha.yarak
em 15 de setembro de 2017

Nativa de algumas regiões da Índia e da China, a planta Camellia sinensis dá origem aos tipos de chá que conhecemos: branco, preto, verde e vermelho. A planta é considerada um elixir da boa saúde pelos orientais. Rica em diversos nutrientes, é muito utilizada para o emagrecimento, mas também têm importante ação antioxidante, digestiva e diurética, além de auxiliar no fortalecimento do sistema imunológico.

A Camellia sinensis também tem bons teores de catequinas, flavonoides e taninos, substâncias com ação antioxidante. Contém vitaminas C, K e do complexo B e sais minerais, como potássio e magnésio. A presença desses compostos pode variar nos diferentes tipos de chá, de acordo com o método de processamento. Os chás que passam por fermentação (vermelho e preto) tendem a perder alguns nutrientes por causa da oxidação.

LEIA MAIS
Matcha: emagrece e é mais potente que o chá verde
LEIA MAIS
10 receitas de chás para você se aquecer no inverno

Para aproveitar ao máximo o potencial nutritivo de cada um dos quatro tipos de chá, a indicação é o uso das folhas da planta. “Elas tendem a ser naturais e livres de conservantes, vale investir e procurar pelo produto”, comente a nutricionista Priscila Amadio, especialista em nutrição clínica.

Tipos de chá

A planta Camellia sinensis dá origem aos chás branco, vermelho, preto e verde. Essa diferença é atingida pelos diferentes tipos de processamento e também durante a colheita. Há variações, por exemplo, na época de retirada das folhas, no uso de brotos e na escolha entre uso de vapor ou da fermentação.

Chá verde

Sua produção é feita com o tratamento de folhas em vapor. Em seguida, elas passam por um processo de secagem. É indicado para quem está de dieta e procura perder uns quilinhos. Como favorece a quebra de gorduras, ajuda no processo de digestão e absorção de nutrientes. Tem ação antioxidante e é associado à uma melhora na circulação sanguínea.

Na quantidade correta, promove a saciedade e ajuda a controlar a fome. Os polifenóis presentes na sua composição têm ação neuroprotetora. Como todo produto estimulante, é contraindicado para gestantes, pessoas com hipertireoidismo, hipertensos e para pessoas com glaucoma ou irritações gástricas.

Antes de preparar esse chá, tome nota de algumas dicas: não deixe a água ferver, assim você evita que as folhas fiquem cozidas e com gosto amargo e que alguns nutrientes sejam degradados. Também é indicado consumir o chá assim que estiver pronto, para evitar a degradação dos antioxidantes.

Chá branco

É produzido com brotos e flores da Camellia sinensis. Tem a menor quantidade de cafeína de todos os tipos e sabor mais delicado. Sua principal característica é a ação antioxidante, resultado de um tipo de polifenol chamado catequina. Essa substância tem sido amplamente divulgada como grande aliada na prevenção do câncer e de doenças cardiovasculares e cerebrais degenerativas.

“Também proporciona sensação de bem-estar e relaxamento, devido à L-teanina, que age no cérebro e favorece o aumento de alguns neurotransmissores responsáveis por essas sensações”, comenta Priscila. Mas não exagere. Seu consumo em excesso pode levar ao aumento da pressão arterial, insônia, dor de cabeça, taquicardia e gastrite.

Assim como o chá verde, ele não deve ser submetido à água fervente. As folhas devem ser colocadas em um recipiente com o líquido muito quente por cerca de cinco minutos.

Chá preto

Passa por diversas etapas de processamento, sendo a mais importante a fermentação. Tem alta concentração de cafeína, que auxilia na perda de peso e tem ação anti-inflamatória. Também tem ação antioxidante e protetora do cérebro.

De acordo com a nutricionista Priscila, não é aconselhável que ele seja ingerido durante as refeições. “Sua propriedade estimulante pode dificultar a absorção de algumas vitaminas, ferro e aminoácidos”, explica.

Chá vermelho

Resultado da oxidação parcial da Camellia sinensis. A bebida é uma importante fonte de cálcio, manganês e flúor, nutrientes benéficos para a estrutura óssea e para a prevenção de artrite e osteoporose.

“Pode ser indicado para alérgicos e pessoas com asma, porque possui boa qualidade anti-inflamatória devido aos compostos fenólicos”, explica Priscila. Mas, se consumido em excesso, pode ocasionar dores de cabeça, nervosismo, insônia, vômitos, diarreia, irritabilidade, tremores e enjoos. Deve ser evitado por pessoas com diabetes, distúrbios de coagulação ou com síndrome do intestino irritável.


Compartilhe
Assine nossa newsletter para receber artigos exclusivos como esse
Newsletter

Faça parte desse movimento pela alimentação consciente!