Fale Conosco

Reeducação alimentar: o que preciso saber e quais alimentos podem ser benéficos

por jasmine
em 6 de fevereiro de 2020

Se você deseja perder alguns quilinhos, é possível que já tenha ouvido falar de “dicas milagrosas” ou “dietas malucas” que prometem acelerar o processo. Porém, o que realmente pode ajudar você a chegar ao peso ideal preservando a saúde é a reeducação alimentar.

Afinal de contas, mesmo que as dietas restritivas possam oferecer um emagrecimento rápido nos primeiros dias, os quilos perdidos acabam voltando pouco tempo depois – e elas ainda podem causar prejuízos à saúde. Isso acontece porque o organismo entra em privação, o que impede a manutenção dos resultados e pode causar deficiências nutricionais importantes.

O que é reeducação alimentar?

Reeducação alimentar é a mudança nos hábitos alimentares em uma perspectiva saudável e sustentável para o corpo, o que inclui a adoção de novos comportamentos na hora de escolher o tipo de comida, definir o tamanho das porções e estabelecer a frequência e os horários das refeições.

Além disso, a reeducação alimentar envolve a construção de novos conhecimentos sobre a importância da alimentação. Isso diz respeito tanto às funções de cada nutriente quanto ao papel que a comida tem na nossa vida pessoal e social, permitindo o desenvolvimento de uma relação muito mais saudável com os alimentos.

Dessa forma, os novos hábitos alimentares adquiridos durante a reeducação alimentar se tornam uma mudança para a vida toda, o que possibilita um controle muito maior e mais fácil sobre o peso e a saúde.

O que preciso saber sobre reeducação alimentar?

Adotar a reeducação alimentar é muito diferente de simplesmente fazer uma dieta. Veja o que você precisa saber sobre o assunto:

  • Você não vai passar fome: na reeducação alimentar, aprendemos a escolher alimentos que deem mais saciedade e a fazer refeições nos horários adequados, sem longos períodos de jejum;
  • Sem proibições: a reeducação alimentar busca o equilíbrio, portanto não existem “alimentos proibidos”. Por isso, é possível incluir até mesmo guloseimas e petiscos no cardápio, desde que apenas em ocasiões especiais e com moderação;
  • Vida pessoal e social: não é preciso deixar de comer bolo no dia do seu aniversário nem fazer dieta no almoço com a família, pois a reeducação alimentar tem espaço para acomodar as necessidades pessoais e sociais
  • Emagrecimento saudável: como a mudança de hábitos alimentares visa a suprir as necessidades do organismo, a perda de peso acontece de forma gradual, saudável e sustentável.

Alimentos benéficos para a reeducação alimentar

Como você já viu acima, a reeducação alimentar não “proíbe” o consumo de nenhum alimento específico, mas ela nos ensina a ter equilíbrio em nosso dia a dia.

Isso significa que, para poder consumir suas guloseimas preferidas de vez em quando sem nenhum prejuízo, é preciso ter como regra a preferência por alimentos considerados saudáveis pelo valor nutricional apresentado e pelos benefícios oferecidos ao organismo. Conheça os principais:

Açúcar fit

Reduzir o consumo de açúcar refinado é essencial na reeducação alimentar. Por isso, se você não consegue consumir sucos, chás e café sem adoçar, a dica é substituir o açúcar comum pelo açúcar fit, que também pode ser utilizado em forno e fogão.

Arroz integral

Como o arroz integral não passa por um beneficiamento tão intenso quanto o arroz branco, ele conserva muito mais fibras, vitaminas e sais minerais que a versão mais comum, garantindo mais saciedade e nutrientes. Você pode encontrar diferentes tipos de arroz integral, como o agulhinha e o cateto, o que permite a substituição no dia a dia e em diversas receitas.

Castanhas e sementes

Conhecidos como oleaginosas, esses alimentos oferecem fibras, proteínas e gorduras boas que contribuem para a saciedade e protegem a saúde do coração. Dessa forma, é uma excelente ideia incluir mix de sementes, mix de sementes e castanhas e mix de sementes e frutas nas refeições intermediárias.

Cereais integrais

Os cereais integrais, como aveia, amaranto, granola e quinoa, devem estar presentes na reeducação alimentar devido ao seu alto teor de fibras, que faz com que eles não apenas prolonguem a sensação de saciedade como também estimulem o bom funcionamento do intestino, prevenindo a prisão de ventre.

Chia e linhaça

A chia e a linhaça têm excelente valor nutricional: elas fornecem proteínas, ômega-3, gorduras boas e substâncias anti-inflamatórias, trazendo uma série de benefícios para a saúde. Além disso, ambas são ricas em fibras com propriedade de formar géis, o que facilita o trânsito intestinal.

Cookies, rosquinhas e biscoitos integrais

A mudança de hábitos da reeducação alimentar envolve o planejamento das refeições, o que facilita a identificação de datas e horários com tempo mais curto e que precisam de praticidade. Para esses momentos, uma boa dica é sempre ter à mão opções rápidas e fáceis, como cookies, rosquinhas e biscoitos integrais, que são excelentes para o lanche.

Frutas desidratadas

Outra opção muito prática são as frutas desidratadas, como maçã, banana, cranberries, goji berries e frutas vermelhas em geral. Esses alimentos oferecem fibras, vitaminas e minerais e podem ser consumidos juntos com o mix de sementes ou adicionados ao iogurte, por exemplo.

Por fim, lembre-se de também dar preferência a frutas, verduras e legumes frescos e a fontes de proteínas magras, reservando as guloseimas para ocasiões especiais. Com essa mudança de hábitos, a reeducação alimentar trará benefícios ao longo de toda a vida sem a necessidade de privações.

Fonte(s):  Saúde Abril 1, Saúde Abril 2 e Exame.


Compartilhe
Assine nossa newsletter para receber artigos exclusivos como esse
Newsletter

Faça parte desse movimento pela alimentação consciente!