Compulsão alimentar: O transtorno que leva a comer demais

por tatiana.barros
em 22 de novembro de 2017

Quem nunca sentiu culpa após exagerar na comilança? Comer além da conta de vez em quando pode ser algo normal e não chega a ser um problema. Mas, se a perda de controle passa a fazer parte da rotina, pode ser um caso de compulsão alimentar.

O que é a Compulsão Alimentar?

É um transtorno alimentar em que o paciente come em grande quantidade e não consegue parar, mesmo tendo vontade. “A pessoa que sofre de compulsão frequentemente enfrenta esse tipo de situação, sempre acompanhado do sentimento de culpa e tristeza. Mas, ao contrário da bulimia, ela não força o vômito”, explica a psicoterapeuta Maura Albano.

Além dos dois sintomas típicos já citados, outros sinais caracterizam esse distúrbio:

  • Adotar diversos tipos de dietas;
  • Controlar excessivamente o peso;
  • Recorrer à comida sempre que se sente frustrado, ansioso, triste ou tenso;
  • Comer rapidamente e sem sentir, como estivesse no modo “piloto automático”;
  • Não parar, mesmo estando cheio;
  • Esconder alimentos para comer quando estiver sozinho.
LEIA MAIS
Bulimia: como identificar esse tipo de transtorno alimentar
LEIA MAIS
Anorexia: Saiba como identificar e tratar esse transtorno alimentar

Causas

Transtornos mentais e alimentares muitas vezes são causados por uma combinação de fatores. Conheça alguns que estão ligados ao desenvolvimento da compulsão.

Dieta restritiva: Regimes que prometem o emagrecimento de forma milagrosa costumam privar a pessoa do consumo de diversos alimentos. Isso pode desencadear um desejo ainda maior, que gera o impulso e à incapacidade de parar quando decide se render a essa vontade. Por isso, toda dieta deve ser acompanhada de um nutricionista, que montará um programa sem essa rigidez e restrição exagerada.

Estresse: Esse é um fator que pode gerar um círculo vicioso. A pessoa come porque está estressada e o exagero gera um novo estresse. Ela, então, novamente recorre à comida na tentativa de se acalmar.

Compensação emocional: Há ainda aquelas pessoas que veem na comida uma forma de compensar suas frustrações, baixa autoestima, tristeza e problemas de relacionamento.  Assim como no caso do estresse, alguns desses fatores podem desenvolver um ciclo difícil de ser quebrado por quem sofre de compulsão.

Depressão: São duas doenças que andam juntas e, por isso, ao tratar a compulsão alimentar, muitas vezes, deve ser tratada a depressão também.

Distúrbio de imagem: Assim como no caso de outros transtornos, como a anorexia, quem sofre de compulsão costuma ter um problema em relação à sua imagem. Elas normalmente se veem mais gordas do que realmente estão e, em busca do emagrecimento, recorrem a dietas, jejuns, medicamentos e outros recursos que acabam desencadeando, em algum momento, a compulsão.

Outros fatores podem causar essa doença, como traumas passados, abusos, disfunções hormonais, maus hábitos alimentares, vício alimentar, entre outros.

Diagnóstico e tratamento

Não existe um exame específico que identifique a compulsão alimentar e, por isso, é muito importante que pessoas próximas fiquem atentos a sintomas e comportamentos. Caso esses sinais ocorram com frequência, é preciso encaminhar a pessoa a um médico, para que ele solicite exames.

Também é essencial o acompanhamento de um psicólogo, que irá identificar os fatores que levaram ao desenvolvimento da doença e a tratar de forma global todas as causas.  O tratamento deve envolver ainda nutrólogo ou nutricionista e, em casos de depressão, psiquiatra.


Compartilhe
Assine nossa newsletter para receber artigos exclusivos como esse
Newsletter

Faça parte desse movimento pela alimentação consciente!