adoçantes artificiais
adoçantes artificiais

Adoçantes Artificiais: Consumo exige cautela e bom senso

por tatiana.barros
em 27 de outubro de 2017

Quando se fala em produtos que causam dependência, sempre vem à cabeça drogas lícitas e ilícitas. Mas há um item, considerado inofensivo por muitos e que é consumido deliberadamente, que também pode ser viciante e prejudicial à saúde: o açúcar. Por conta dos problemas de saúde que pode causar ou agravar, o açúcar acaba sempre amplamente substituído por adoçantes artificiais.

Estudos mostram, no entanto, que muitos deles também podem trazer problemas ao organismo e levar a doenças, por mecanismos diferentes ou semelhantes aos do açúcar, se utilizados sem controle. Por isso, é preciso cautela e bom senso na hora de consumi-los.

LEIA MAIS
Adoçantes naturais: confira as opções mais saudáveis
LEIA MAIS
Açúcar escondido: Como ver no rótulo outros nomes para esse ingrediente

Tipos de adoçantes artificiais

Esses itens possuem nomes diferentes e estão presentes em produtos como biscoitos, sorvetes, refrigerantes, laticínios, entre diversos outros. Saiba quais são os principais adoçantes artificiais e entenda por que alguns deles devem ser evitados na sua dieta.

Ciclamato de sódio: A matéria-prima desse produto é o ácido ciclo hexano sulfâmico, proveniente do petróleo.  Presente em refrigerantes, sorvetes, adoçantes de mesa, entre outros, o ciclamato não possui calorias, mas há estudos que ligam o seu uso a tumores cancerígenos.

Sacarina: Embora adoce cerca de 200 vezes mais do que a sacarose, a sacarina costuma deixar um gosto amargo e metálico. Ela também é derivada do petróleo e não deve ser consumida por pessoas hipertensas, nem por mulheres grávidas. 

Sucralose: É um adoçante até 600 vezes mais doce do que a sacarose. Ao contrário da sacarina, não deixa um gosto amargo e nem possui contraindicação. Segundo estudos realizados, esse é um produto que não eleva a glicemia e, por essa razão, pode ser usado por pessoas portadoras de diabetes.

Acessulfame-K (acessulfame potássio): Amplamente usado em confeitos, produtos panificados e laticínios, é um adoçante feito a partir de um ácido da família do ácido acético (vinagre). Ele não possui calorias.

Tagatose: Esse adoçante é obtido por meio da lactose e, por não ser absorvida pelo organismo, não eleva os níveis de insulina. Ele é considerado seguro para a saúde, mas caso a pessoa apresente sensibilidade aos seus componentes pode sofrer gases, náuseas e diarreia.

Aspartame: Alguns estudos mostram que o aspartame pode apresentar inúmeros efeitos colaterais, como náuseas, dores de cabeça, irritabilidade, ganho de peso, entre outros. Ele é contraindicado para gestantes, lactantes e portadores de fenilcetonúria (incapacidade do organismo de metabolizar a fenilalanina, que é diagnosticada no teste do pezinho).

Adoçantes Jasmine

Na linha de adoçantes Jasmine você encontra somente adoçantes naturais, como o Stevine, feito à base da folha da Stévia, e a Calda de Agave Azul, que é obtida a partir do próprio Agave Azul.

Confira receitas Jasmine com adoçantes naturais:

Receita de Panqueca de Banana 100% Integral
Receita de bolo de chia, aveia e castanha: sem glúten e com muito sabor
Receita de Suco Refrescante de Chia

 


Compartilhe
Assine nossa newsletter para receber artigos exclusivos como esse
Newsletter

Faça parte desse movimento pela alimentação consciente!